Mil e uma palavras para conhecer antes de crescer...

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Uma história para Alice

No calendário é o primeiro dia de outono, lá fora a chuva cai certinha e pontual como um relógio. Dentro da Biblioteca o Gato e Bruxinha passam mais uma tarde entre livros e viagens pelo mundo.
- Gato, temos de acabar a história da Alice. Aquela, lembras-te?
- Hoje?
- Hoje, sem falta! Vamos lá escolher um livro para nos ajudar. Que tal “Trisavó de Pistola à Cinta”… ou “Chocolate à Chuva” ou “Às Dez a Porta Fecha”?… E se for Uma história com cheiro...?
-Com cheiro a peixe?- pergunta o Gato entusiasmado.
- Não! Era só o que faltava, um livro andar por aí a cheirar a faneca ou a carapau. Com cheiro a Caramelo.
- De caramelo não gosto. Já sabes que gosto de chocolate. Mas o que é que tens contra fanecas e carapaus? De certeza que a Alice gosta de carapaus fritos.
- E de “Pezinhos de Coentrada”- diz a Bruxinha a rir - Mas temos um “Livro com Cheiro a Chocolate". E “Rosa, minha irmã Rosa” que é o primeiro dela.
- Acho que pode ser esse. Olha, e se a convidássemos para lanchar? Fazíamos-lhe uma entrevista.
- Boa ideia! Vamos fazer um bolo...
- E chá?
- Não, café, litros de café. Senão ela adormece sobre os bolos.
- Ela é assim tão aborrecida?
- Nada é nada aborrecida. É de gargalhadas. A Alice ri-se como um vulcão. É muito divertida. Mas dorme pouco. Como achas que tem tempo para escrever tantos livros, ser avó, conversar com as amigas e cirandar de um lado para o outro. Para isso toma muito café.
- Bom, se calhar não tem tempo para vir hoje. Já pensaste nisso? E se em vez de entrevistarmos a Alice entrevistássemos a Mariana?
- Qual Mariana?
- A irmã da Rosa.
- Inventar a entrevista queres tu dizer.
- Não, tonta, entras no livro e fazes-lhe as perguntas. Para alguma coisa és bruxa…
- Meu gato, tens ideias geniais!
- Largaaa-me!! Que mania de me apertares e dares beijos!!!
- Deixa ver o livro. Que página é melhor para entrar… No capitulo 6.
- Olá, Mariana!
- Quem és tu? O que é que estás aqui a fazer? “Desde que a minha irmã chegou, nunca mais houve sossego nesta casa.” Mas eu não te conheço? A avó Elisa e a tia Magda não deixam entrar desconhecidos. Ou então… Não me digas que a Alice reescreveu o livro e ninguém me avisou!
- Descansa. Sou uma Bruxa e por isso capaz de coisas mágicas assim como entrar nas entrelinhas das histórias. Foi uma sugestão do meu gato para fazer uma entrevista sobre a tua vida.
- A minha vida? É sempre a mesma coisa. Desde que a minha irmã nasceu, há trinta anos, ando pelas bibliotecas a ver os miúdos ler, a ouvir os miúdos a perguntar, a ouvir a Alice a falar. Todos os anos a mesma coisa… Pelo Natal já faço parte de muitas famílias.
- Ainda pareces uma miúda de 9 anos.
- Pois, tenho 9 anos! Crescer é lá coisa que aconteça com personagens de um livro? Só os leitores é que crescem e desaparecem. Depois voltam outros parecidos com os primeiros.
- Ao fim de tantos anos não estás cansada?
- Cansada? Não. Um livro nunca se cansa. Posso ainda cirandar mais trinta Eu e a Rosa, que só come, dorme e faz birras. Mas sabes? Até gostava de saber como eu seria se tivesse crescido. Como seria a minha vida com trinta anos. A Alice podia escrever outro livro para eu mudar de ares. Para eu viajar cá e lá. Mostrar aos meus pais que havia de ter muito tempo para os meus filhos, deixá-los ficar acordados até tarde e dar-lhes muitos chocolates! Mas tu e teu Gato fazem o quê?
- Escrevemos histórias para um blogue de palavras cruzadas.
- Um blogue não é coisa do meu tempo é mais “A Vida nas Palavras de Inês Tavares”, não é? Mas a Alice adora palavras cruzadas!
- Sabes isso?
- Sei muitas coisas. Apesar de ser personagem de livro e fazer sempre o mesmo papel vou aprendendo em cada leitura, com tudo o que vejo e ouço. A Alice coleciona palavras esquisitas, escreve-as em cadernos.
- Então podias ajudar-me com estas palavras escanifobéticas.
- Claro!
- Olha, não queres vir lanchar comigo e com a Gato na nossa biblioteca? Fizemos um lanche para a Alice mas já sabes que ela é moça de andar sempre a correr e a saltar de um lado para o outro. Não tem muito tempo.
- E eu não posso sair daqui…
- Mas esqueces-te de que eu sou uma Bruxa? Anda. Daqui a pouco regressas ao livro. Ninguém dá por nada.
- E se alguém estiver a ler neste momento?
- Simples. Deixo aqui um feitiço de adormecimento. Anda vamos. Segue-me e fazemos também os passatempos do blogue, com as palavras da Alice para os nossos leitores aprenderem:

Charamela, cacaréu, chocarreiro, macambúzio, truão, zurzidela. 

Sabe Mais k(que) os teus Pais

E foi assim que a Mariana, irmã da Rosa a quem deu o nome, passou a tarde aqui em casa e bebeu o seu primeiro golo de café. Não gostou e ficou sem sono. Mas aprendeu um feitiço quase infalível para adormecimento de irmãs mais novas: ler histórias.

Texto: Sílvia Alves
Ilustrações: Maria del Toro (em  breve)

Sem comentários:

Publicar um comentário

Seguidores